Número total de visualizações de página

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O número de homens vítimas de violência doméstica está a crescer

 Só na região de Setúbal já somaram 400 queixas este ano. O último caso conhecido redundou em morte.
"É óbvio que as mulheres continuam a ser as maiores vítimas deste flagelo - traduzem em Setúbal mais de 2 mil queixas - mas, aos poucos, os homens também estão a perder a vergonha de assumirem que sofrem de maus-tratos." 
O caso mais grave registado este ano no distrito, ocorreu em Almada, no mês de Março, quando José Monsanto, 45 anos, acabou assassinado às mãos da mulher.
Este ano registou-se um maior aumento de queixas entre casais, num total de 32,7% comparando os relatórios de 2008 e 2009.


Adaptação da notícia do jornal Expresso - semmais, 13 de Novembro de 2010
por: Roberto Dores  

Cometidos 25 crimes por hora

O número de ocorrências criminais não pára de aumentar desde o início do ano no distrito judicial de Lisboa. De acordo com os dados divulgados pela Procuradoria-Geral Distrital (PGDL), nos primeiros nove meses de 2010 foram participados, no total, 166 002 crimes às autoridades – o que representa uma média superior a 25 crimes por cada hora que passa.(...)
Entre os fenómenos criminais, o destaque vai para os casos de violência doméstica – 7303 ocorrências –, que já ultrapassam o número de processos por condução sobre efeito de álcool ou falta de carta – 7124. Os crimes relacionados com droga são o terceiro fenómeno criminal mais relevante, com 2456 casos registados. Saliente-se ainda os 364 inquéritos-crime por corrupção e os 594 casos de crimes contra a liberdade e autodeterminação sexual de menores. (...)

Por:João C. Rodrigues, Correio da Manhã,  16 de Novembro de 2010

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Tenta matar mulher com um ferro

Um homem de 52 anos agrediu com um ferro a ex-mulher, de 47, na manhã de anteontem, em Salvada, Beja. O agressor, que estava proibido de se aproximar da vítima devido a um processo de violência doméstica, ficou em prisão preventiva. Tudo aconteceu por volta das 07h40, quando Maria Dulce se dirigia para o trabalho, no lar da localidade. João Elias esperou-a perto da Junta de Freguesia e desferiu vários golpes, causando-lhe três fracturas no crânio e vários hematomas. Segundo fonte da GNR, só o aparecimento de uma testemunha "evitou que ele a matasse".
A mulher foi encaminhada para o Hospital de São José, em Lisboa. O estado de saúde é considerado grave, embora não corra perigo de vida. O casal tem três filhas maiores e atravessa um processo de divórcio. O Tribunal agravou a medida de coacção a que João Elias estava sujeito. Enfrenta, agora, uma possível acusação de homicídio na forma tentada.



Correio da manhã, por P.G. a 5 de Novembro de 2010.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Pode acontecer a qualquer um (estatísticas 2009)

Imagem das autoras do blogue, caracterizadas com maquilhagem



Pelos menos 10 mulheres morreram em 2009 devido a violência doméstica. No ano 2008 foram 47.
Há 84 queixas por dia de violência doméstica em Portugal.
Em 2009, a GNR e a PSP registaram 30.534 participações de violência doméstica e 2625 diziam respeito a crianças com menos de 16 anos.
Nos meses de Janeiro e Fevereiro foram registadas 2433 queixas nas esquadras da PSP.

Violência Doméstica é CRIME

O Código Penal Português prevê e pune os crimes de violência doméstica.
Violência Doméstica assume a natureza de crime público, o que significa que o procedimento criminal não está dependente de queixa por parte da vítima, bastando uma denúncia ou o conhecimento do crime, para que o Ministério Público promova o processo.
O procedimento criminal inicia-se com a notícia do crime, e pode ter lugar através da apresentação de queixa por parte da vítima de crime, ou da Denúncia do crime por qualquer pessoa ou entidade, numa Esquadra da PSP, Posto da GNR, Polícia Judiciária, ou directamente no Ministério Público;


O Artigo 152.º do Código Penal Português – Lei n.º 59/2007, publicado em Diário da República (1.ª Série) em 04 de Setembro de 2007

Os três tipos de Violência Doméstica...

A Violência Física é o uso da força com o objectivo de ferir, deixando ou não marcas evidentes. São comuns murros e estalos, agressões com diversos objectos e queimaduras por líquidos quentes. Quando a vítima é criança, além da agressão activa e física, também é considerado violência os factos de omissão praticados pelos pais ou responsáveis.

 
A violência psicológica ou agressão emocional, tão ou mais prejudicial que a física, é caracterizada pela rejeição, depreciação, discriminação, humilhação, desrespeito e punições exageradas.
É uma violência que não deixa marcas corporais visíveis, mas emocionalmente provoca cicatrizes para toda a vida..



A violência verbal não é uma forma de violência psicológica. A violência verbal normalmente é utilizada para  incomodar a vida das outras pessoas.
Pode ser feita através do silêncio, que muitas vezes é muito mais violento que os métodos utilizados habitualmente, como as ofensas morais (insultos), depreciações e os questionários infindáveis.


O que é a Violência Doméstica?

É a qualidade ou estado do que é violento,
a força empregada contra o direito de outrem ou
a acção em que se faz o uso de força bruta.

É a agressão do companheiro á companheira ou vice-versa. Também é considerado violência doméstica o acto de pais agredirem os seus próprios filhos. O agressor geralmente acusa a vítima de ser responsável pela agressão, a qual acaba por sofrer uma grande culpa e vergonha. A vítima também se sente violada e traída, já que o agressor promete, depois do acto agressor, que nunca mais voltar a repetir este tipo de comportamento, para depois repeti-lo.